NOTÍCIAS

Mecão vence de virada no Giulite Coutinho e encosta no G2 da Copa Rio
29/08/2016

Diante do Sampaio Corrêa, o America venceu por 3 a 2 na sua estreia em casa pela competição

Marlon celebra o segundo gol do America no embate. (Foto: Raffa Tamburini/America)

A torcida rubra estava endiabrada e apoiou o America do início ao fim da partida desse sábado em Mesquita. O grito da arquibancada inflamou os jogadores, que não desistiram e, nos minutos finais, viraram o jogo contra o Sampaio Corrêa. Contra um adversário bem armado, que obrigou o goleiro Felipe a ser um dos destaques do jogo, o Mecão foi mais eficiente e venceu por 3 a 2. 

O estreante Victor Hugo, Marlon e Dieguinho marcaram os gols do America, enquanto Rômulo e Tiago Barreiros descontaram para os visitantes. O triunfo na estreia do Rubro no estádio Giulite Coutinho deixou o time americano com 4 pontos, empatado com os líderes do Grupo B da Copa Rio - ficando em terceiro pelo saldo de gols. Na próxima quarta, dia 31, às 15h, o America disputa a sua terceira partida no torneio. O duelo, contra o Queimados, será no estádio Nivaldo Pereira.

O jogo

Os rubros não poderiam ter pensado num início de jogo melhor, já que logo aos 5 minutos marcaram o primeiro gol do duelo. Da ponta esquerda, Wagner Diniz cobrou falta na área, a defesa afastou mal e Marlon, sem deixar a bola cair, emendou um lindo chute. O remate de fora da área, caprichosamente, bateu na trave direita do goleiro e deu rebote. Esperto, Victor Hugo completou de primeira para as redes e fez ferver o Giulite Coutinho.

Nos minutos seguintes o confronto seguiu equilibrado, até que dos 20 aos 33 o time visitante dominou as ações. Nesse período o goleiro Felipe foi peça fundamental, realizando cinco defesas difíceis, sendo três verdadeiros milagres - dois remates cara a cara disparados por Tiago Barreiros e Giovanni, e um chute de fora da área de Daniel, que entraria no ângulo esquerdo se não fosse a mão salvadora do arqueiro. Apenas em um lance o goleiro não conseguiu evitar o gol, justamente em um pênalti cobrado por Tiago Barreiros, aos 27.

O America respondeu com um contra-ataque que quase resultou no desempate. Accioli iniciou a jogada e acionou Nivaldo. De forma bastante inteligente, o camisa 10 do Mecão deixou Fábio Braz de cara para o goleiro. Como um elemento surpresa, o zagueiro rematou rasteiro, cruzado, da entrada da área. Os rubros só não celebraram aos 33 porque o arqueiro fez uma belíssima defesa, afastando a bola para longe de sua meta. Pouco depois, aos 37, Rômulo acertou um chute indefensável e deixou o Sampaio em vantagem.

O placar seguiu igual até o intervalo e o time visitante quase ampliou aos 2 minutos do período complementar. O tento não saiu porque Wagner Diniz salvou, em cima da linha, o chute de Giovanni. Depois deste lance o America cresceu no confronto e equilibrou o duelo. Daniel tentou empatar com um chute de fora da área. No entanto, o remate saiu prensado com o zagueiro, facilitando a defesa do goleiro. Já aos 19, o arqueiro do Sampaio foi um mero espectador na pintura feita pelo atacante Marlon.

Facilmente comparável a uma obra prima de Picasso, o chute foi de uma rara perfeição. Ao receber de fora da área, o atleta, ao perceber o goleiro levemente adiantado, colocou veneno, curva e precisão no remate. Milimetricamente a bola entrou no ângulo esquerdo de Marcos e deixou a vitória ao alcance das mãos. 

Bem armado, o time adversário tentou voltar a impor seu ritmo e criou três oportunidades para desempatar o confronto. Felizmente para o America, Felipe estava em uma tarde memorável.

Talvez em sua melhor apresentação pelo clube, o arqueiro - dono de uma defesa milagrosa contra o Fluminense no Estadual de 2016 - realizou mais duas defesas monstruosas aos 28 e aos 32 minutos. Na primeira delas, Felipe espalmou para escanteio o balaço de Pará, da entrada da área. Na segunda, o arqueiro, sutilmente, desviou para fora com a mão esquerda a finalização cruzada - da entrada da área - de Giovanni. A única oportunidade criada pelo Sampaio Corrêa que não foi defendida pelo arqueiro - um disparo de Gabriel Galhardo de fora da área, aos 30 - passou raspando o travessão.

Embalado pelas defesas de seu arqueiro, o America mostrou um melhor preparo físico e passou e pressionar o adversário. O movimento surtiu efeito e o time de Clovis de Oliveira, que encontrava brechas no lado esquerdo da defesa rival, chegou ao gol. 

Em uma linda triangulação entre Russo, Daniel e Wagner Diniz, o lateral-direito foi derrubado por Sidney na área aos 43 minutos. O árbitro assinalou pênalti e Dieguinho teve a missão de decidir o duelo. Com tranquilidade, o lateral cobrou no lado direito do goleiro, que não saiu na foto, e celebrou com “cambalhotas” a virada do Mecão.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa | America




OUTRAS NOTÍCIAS