NOTÍCIAS

Mecão faz grande partida, mas empate dá título ao Goytacaz
02/10/2017

Equipe rubra saiu na frente, mas sofreu o empate em 1 a 1 e ficou com o vice-campeonato da Série B1

Foto: Marcio Menezes/America

O America fez um grande jogo em Campos. Saiu na frente do Goytacaz com um gol de Anderson Künzel, ainda no primeiro tempo, mas acabou cedendo o empate aos donos da casa na etapa final. O resultado de 1 a 1 deu ao time campista o título da Série B1 do Campeonato Estadual, mas não ofusca a belíssima trajetória de Lucho Nizzo e seus comandados na competição, na qual alcançaram o tão desejado retorno à elite do futebol carioca.

O jogo

O Mecão fez um primeiro tempo primoroso. Embora o Goytacaz tenha ameaçado já aos 20 segundos do primeiro tempo em chute de Luan defendido por Thadeu, foi o America, bem postado, que abriu o marcador aos 19 minutos. Allan deu assistência para Anderson Künzel na meia-lua. Ele bateu de chapa no canto direito e o quique da bola matou o goleiro.

O America seguiu melhor após a parada técnica. Allan teve duas boas chances de marcar, um delas em hesitação do zagueiro Cleiton, e poderia ter ampliado. O Goyta teve pênalti de Douglas em Tenente aos 35 minutos, mas Thadeu brilhou ao defender a cobrança de Gabriel Galhardo.

Veio o segundo tempo e o Mecão seguiu lúcido no jogo. Tiago Corrêa tabelou com Allan e quase surpreendeu Paulo Henrique na finalização no início da etapa. Aos 15, pintou o gol alvianil. Leandro Cruz cobrou falta e Gabriel Galhardo, apenas no segundo rebote, conseguiu balançar a rede.

O empate deixou o jogo mais franco, com chances para os dois lados. Aos 19, Phillip finalizou com perigo, assim como Allan exigiria defesa de Paulo Henrique poucos minutos depois. O Goytacaz acertou a trave com Almir e ameaçou com Luquinha. O gol que o America precisava para levar a disputa para os pênaltis, infelizmente, não aconteceu.

Ao fim do jogo, a equipe rubra recebeu o reconhecimento não só dos briosos americanos que foram a Campos, como também de torcedores locais que ensaiaram um grito de “sangue” na saída dos atletas para o vestiário. Um afago justo para os guerreiros que levaram o Mecão de volta à elite.

Fonte: Assessoria de Imprensa | America




OUTRAS NOTÍCIAS